Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

O ESPIRITO ANIMAL DE CADA UM (Xamanismo)


Olá, pequenos curumins de todo dia!



Vamos falar um pouco mais sobre o caminho indígena. agora que já conhecemos o que é xamanismo, o que a figura do xamã representa e algumas de suas capacidades, podemos falar um pouco sobre um dos temas mais discutidos nas entrelinhas do ocultismo. o animal de poder.

Desde as religiões antigas existem registros de rituais do homem e do animal em todos os hemisférios. Na Índia, a Ganesh, divindade em forma humana com cabeça de elefante; no Egito, Thot, forma humana com cabeça de falcão; na mitologia grega, entre os fenícios, maias, astecas, incas, índios norte-americanos, na Sibéria, nos cultos africanos, entre os aborígines australianos, esquimós, índios brasileiros, no taoísmo. Nos contos Jakata conta-se que Buda em seu “Grande Despertar“ lembrou-se de encarnações animais.
O peixe e a ovelha no cristianismo. Jesus, um dia, disse aos seus discípulos : “Eis que vos enviou como ovelhas no meio de lobos, portanto, sedes espertos como as serpentes e simples como as pombas“ Mateus, 10:16.
Na astrologia ocidental e chinesa os símbolos astrológicos são animais. A simbologia animal também está presente em todas as linhas de ocultismo, na alquimia, nas cartas de tarô, nas runas, no I Ching etc.


No xamanismo passamos pela descoberta do animal guardião que está presente em  cada um de nós. Seja chamado de animal de poder, espírito protetor, nagual, aliado totem, animal guardião. É o nosso alter ego, nosso duplo. Eis aí um primeiro motivo de dúvida. A verdade é que o espírito animal, ou animal totem não é algo externo, mas sim aquilo que existe de mais profundo dentro de nós, e que podemos trazer para fora.Quando compartilhamos de nossa consciência animal, podemos transcender o tempo e o espaço, e as leis de causa e efeito. Os animais de poder são manifestações dos poderes arquétipos ocultos, que estão por trás das transformações humanas. Torna as pessoas com um corpo vigoroso, aumenta a resistência a doenças, a acuidade mental, e a autoconfiança. Eles auxiliam no diagnóstico de doenças, na realização de objetivos desafiadores, para aumentar a disposição, auxiliam no autoconhecimento.
Através de uma maior compreensão da energia animal e da pratica de rituais e meditações, expande-se o seu poder pessoal. Esse relacionamento poderá lhe trazer um vigor extra, ajudará a ter idéias mais criativas, a melhorar seu relacionamento com as pessoas e com o Universo, aumenta sua intuição, melhora seu poder de tomar decisões, maior disposição para enfrentar os desafios da vida e proteção contra perigos.
Os xamãs têm ao menos um animal de poder, porém, dificilmente alguém terá só um, ou até mesmo um número pré-estabelecido de animais. Ele age como espírito guardião e como intermediário para acessar outras realidades. Nas viagens xamânicas ele assume os talentos de seu animal e vê de maneira diferente. Cada animal traz seus talentos, ou uma essência espiritual, e através disso, cada um transmitem-nos a sua sabedoria.
Os totens nos completam. abaixo segue uma lista de alguns, quem sabe o seu esteja entre eles:

Ganso
Deve cultivar: Sociabilidade, expressão emocional.
Deve evitar: Dúvidas e pessimismo.
 Lontra
Deve cultivar: A criatividade, a tolerância e a coragem.
Deve evitar: A excentricidade e a rebeldia.

 Lobo
 O lobo é o Animal do primeiro clã xamânico, o clã da verdade.  se você tem um lobo como totem, não minta jamais, ou o seu totem irá revelar tudo no momento oportuno.
Deve cultivar: Intuição, criatividade e compreensão.

 Falcão
 Deve cultivar: Paciência, persistência, compaixão.
Deve evitar: Vaidade, orgulho e intolerância

 Castor
 Deve cultivar: Adaptabilidade e compaixão.
Deve evitar: Possessividade, inflexibilidade.

 Urso Pardo
o urso é o representante do segundo clã, o clã da força. Ter esse totem representa  estar acima de tudo o que te traga dor.
Deve cultivar: Otimismo e tolerância
Deve evitar: Ceticismo e crítica excessiva

Coruja 
Deve cultivar: Concentração, otimismo e entusiasmo vital
Deve evitar: Auto-indulgência e exagero

 Águia
O animal do terceiro clã, o clã da visão. ninguém te engana, porque você vê o que está além das aparências. 
Deve cultivar: percepção, paciência e amor fraterno
Deve evitar: possessividade e perfeccionismo



Há ainda uma outra possibilidade.
Os clãs xamânicos são representados por animais. Os quatro principais são o clã do lobo (verdade), do urso (força), da águia (visão) e o da tartaruga (sabedoria). existem ainda o clã do sapo (emoção) e o da borboleta (auto-transformação).
 Caso seu animal seja um desses, as chances de você ter algo a ver com o xamanismo é grande. Afinal, o xamã não se diz, mas é escolhido pelos espíritos.

Espero ter esclarecido algumas dúvidas. Mas também espero que elas ainda existam, tamanha a complexidade do tema.

É isso! Ahow!!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

EU RECOMENDO - SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS


Olá!!


Acontecem agora as inscrições para o vestibular da UFT, e minha namorada, decidiu-se, pelo curso de Filosofia, o que me deixou bastante eufórico. É difícil ver pessoas pensando hoje em dia...


A maioria das pessoas ainda não entendem a importância da filosofia para a sociedade. O filósofo é aquele que vê o que todos vêem todos os dias, mas ele, diferente de outros, aponta para situações em que aquilo que é visto não é algo que deveria estar ali como está. Poderia não estar. Talvez devesse não estar como está. E é aí que mora o grande valor. A filosofia molda o ser humano, muda a sociedade, dá novas diretrizes, aponta para novos cominhos. Sem a filosofia, não saberíamos o que é educação, não existiriam valores, estaríamos muito próximos do caos total.
Todos os povos têm uma educação transmitida muitas vezes de maneira espontânea. Diante disso, cabe ao filósofo acompanhar, reflexiva e criticamente a ação pedagógica de modo a promover a passagem dessa educação guiada pelo senso comum para uma educação sistematizada.
A filosofia da educação desempenha papel importante para denunciar as formas ideológicas, graças ao seu poder de questionamento do que seja educação, não permitindo que a pedagogia se torne dogmática, nem que a educação se transforme em adestramento. 

Foi pensando nisso que eu me lembrei de um dos grandes filmes da minha infância. "Sociedade dos Poetas Mortos", de Tom Schulman, dirigido por Petes Weir, de 1989. Destaque para a atuação brilhante (pasme!!) de Jim Carrey.




O filme "Sociedade dos Poetas Mortos" mostra as relações de um professor
e ex-aluno da Welton Academy, vivido por Robin Williams, com uma turma de adolescentes cheios de sonhos e vontade de viver intensamente. Entretanto, encontram-se inseridos em um sistema acadêmico rígido e autoritário, não permitindo-os, com o pleno auxílio de suas famílias, buscarem outras oportunidades externas às impostas pela instituição de ensino preparatória para a universidade, referindo-se a atualidade brasileira, seria uma escola secundarista técnica.
A quebra dos estereótipos educacionais proposta pelo professor em questão, John Keating, remete os alunos a novas possibilidades e visualizações acerca do mundo em que vivem, ou que deveriam viver. Isso faz brotar nos jovens novos sentimentos, sempre com o insistente auxílio de John Keating pela quebra de barreiras impostas pela sociedade, família e instituição, o que fica bem claro com a morte da personagem Neil Perry, que se remete à vida enquanto ela ainda lhe oferece possibilidades de proveito a cada momento, relação direta com uma frase muito usual na trama: Carpe Diem (aproveite o dia). Ela é sacrificada em suicídio pela causa mais justa relatada no filme, a truculência contra os anseios pessoais e imposições profissionalizantes, educacionais, capitalistas, enfim, que são expoentes da sociedade global mundial. Nos 129 minutos de filme, são mostrados a importância dos sentimentos humanos que superam quaisquer imposições sociais, é o íntimo de cada pessoa sendo mais valorizado que as regras impostas pelo coletivo, é a quebra para a renovação. Entretanto, a aparente quebra de regras, mostradas como sendo o eixo central da trama, se contradiz com a própria formação da Sociedade dos Poetas Mortos, onde todos têm que ler poemas, produzir versos, reunir-se em horários definidos, entre outras, para se tornarem membros efetivos. A Sociedade referencia poemas de autores renomados e dos próprio personagens, como sendo renovadores e estimuladores de ações e pensamentos.
O drama é muito bem construído, com imagens fortes que retiram dos atores os sentimentos que precisavam se mostrar encobertos. Robin Williams, como é de praxe, submete os pensamentos dos espectadores a uma introspecção e auto valorização humana. A escolha de uma instituição preparatória ortodoxa foi muito bem explorada, já que, tradicionalmente, os pensamentos acerca de um local como este remete a todos a um ambiente fechado, com regimentos fortes e invioláveis, truculento e altamente insensível com o ser humano. Todos estão ali pela instituição, que dá em troca a sustentação necessária para sobreviver no mundo cada vez mais individualista. Esse filme todo mundo deveria assistir.