Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O SUSSURRO DO GRANDE ESPÍRITO.



O Espírito da Terra trepidou no vale do meu coração.
Eu evoquei meu animal sagrado de poder
e o Gorila surgiu...
E na Terra eu dancei,
meu chakra cardíaco se expandiu e amou...

O Espírito da água lavou as entranhas da minha voz.
Eu evoquei meu animal sagrado de cura
e a Águia surgiu...
E na Água eu mergulhei,
meu laríngeo abençoou e cantou a canção da alma...

O Espírito do Fogo queimou as tolices do meu ego.
Eu evoquei meu animal sagrado de sabedoria
e o Urso Pardo surgiu...
E na fogueira eu me aqueci e me consolei,
meu chakra frontal SE enxergou, ME enxergou, e questionou...

E o Espírito do Vento soprou no vale de meu coração.
Eu evoquei meu animal sagrado espiritual
e a Raposa surgiu...
E no Prhana eu meditei,
meu chakra coronário transcendeu, sentiu, descobriu e calou.

Uma fração de tempo melancólica se seguiu.
Era a reflexão do meu coração.
Circunspectos, eles me olhavam, 
o Gorila, a Águia, o Urso e a Raposa.
Se posicionavam nos quatro cantos cardeais.

Eu me levantei a mirar a abóbada celeste
ergui os braços qual as asas da Águia
como quem ameaça alçar vôo dentro do coração do Grande Espírito,
que a milênios sussurra em minha consciência.
Eu cantei...

cantei e dancei louvando a natureza,
dancei e sorri dando graças.
o Gorila gritava, como quem cantava comigo
minha coluna brilhou e um funil de luz me uniu ao cosmos
pelo alto da minha cabeça.

A natureza me ungiu em cura eterna
e a Raposa se aproximou...
Ia e voltava em ritmo, exaltando a lealdade.
Meus passos dançantes pulsavam com ela,
e uivávamos juntos.

E o Urso me ensinou cautela e discrição.
Postei as mãos rente a testa de olhos fechados,
e a raposa lambeu meu rosto.
Ela me ensinou a flexibilidade do aprender a aprender,
me disse para cometer apenas erros novos e evitar os antigos.

E com respeito a natureza e humildade, dançando,
cantando e orando,
eu, a Raposa,  o Urso, o Gorila e a Águia evocamos os elementais.
Antes, pedimos a licença e a presença dos Devas Solares.

o Gorila evocou os Gnomos da Terra,
o Urso evocou as Ondinas da Água,
a Raposa evocou as Salamandras do Fogo,
e a Águia evocou os Silfos do Ar.
Eu evoquei Walkan-Tanka, o Grande Espírito, a presença no céu de nossos corações.

Uma reverência espontânea e infinita se instalou.
Os olhares daqueles seres extrafísicos se miravam
com as virtudes e potenciais dos olhares dos seres arquétipos
plasmados em minha realidade.

E nossos olhares serernos se entrecruzavam naquela profunda reverência, 
e todos éramos um só no céu e terra do coração do Grande Imanente
que nos enviou um sábio Xamã.
Um único amor inefável nos unia, 
e ficamos ali até o anoitecer em volta da fogueira
dançando e cantando...

E o Sábio Xamã falou:

"O conhecimento penetra na mente que se abre,
mas só a experiência pousa no coração que sente.
O conhecer pode cegar o coração, 
mas só a experiência real do coração que sente
é capaz de abrir as janelas profundas da mente.
Assim, a arrogância serve para quem 'tudo sabe', mas
 nada sente."

E naquele Xamã eu via os olhos do mundo e o coração da humanidade.
Vi nele os Pretos Velhos, os Pais fraternos, os Mestres Carinhosos, os Avatares, 
as mães amorosas, os irmãos cuidadosos,
vi o seio de Gaia, vi o verde das montanhas, o fogo dos vulcões e
a água das nascentes.

Ele já havia queimado as tolices do seu ego há muito tempo
e dedicava sua vida aos viajantes sinceros que se empenham
na autotransformação,
tal qual a lagarta, que se transforma em borboleta.

Em seus olhos, eu ví meus olhos.





Ahow!!

domingo, 12 de dezembro de 2010


"Eu sou o grito de toda a vida 
que alcança o mistério 
da verdadeira consciência. 
Eu sou o eterno.
O agora da criação. 
Eu sou o espaço, 
através do qual viaja o tempo. 
Através de mim você experimenta 
o dom da reflexão, esperança 
e sabedoria e assim 
você poderá conhecer a si mesmo. 
Conhecer-se como criador e criatura, 
menor que um grão de poeira 
e tão grande quanto 
o Deus que você louva." 
Xamã Archie Fire Lamer Deer

Guerreiros da Luz

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

O GUERREIRO DA LUZ

O guerreiro da luz sabe que cada batalha contém os ensinamentos que o levarão à conquista da próxima. Sabe que pequenas conquistas levam a grandes vitórias. Também sabe que a perda de uma luta não significa a perda da guerra.
O guerreiro da luz é impenetrável. Suas manobras não podem ser desveladas pela astúcia inimiga. Seus movimentos não podem ser preditos, cada passo que o conduz é original, assim, vence sem dar assalto, sem desembainhar a espada e sem subestimar o adversário. Simplesmente se apodera de um Reino do qual já é o Senhor.
O guerreiro da luz eterna sabe que o caminho que o homem trilha nesta vida é o mesmo, apenas a direção é que revela a essência da sua busca. Sabe que é isso o que diferencia o homem do HOMEM e a escala de evolução que ele trilha. 

Todo guerreiro da luz já ficou com medo de entrar em combate.


Todo guerreiro da luz já traiu e mentiu no passado.

Todo guerreiro da luz já perdeu a fé no futuro.

Todo guerreiro da luz já trilhou um caminho que não era o dele.

Todo guerreiro da luz já sofreu por coisas sem importância.

Todo guerreiro da luz já achou que não era guerreiro da luz.

Todo guerreiro da luz já falhou em suas obrigações espirituais.

Todo guerreiro da luz já disse sim quando queria dizer não.

Todo guerreiro da luz já feriu alguém que amava.

Por isso é um guerreiro da luz: passou por tudo isso, e não perdeu a esperança de ser melhor do que é.


Algum dia, tuas frágeis mãos poderão perceber quão fortes são as ações por elas praticadas.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

UM EX-HIPPIE ME FALOU:

"Eu vivi 16 anos da minha vida tentando entender como as pessoas são. Decidi, nessa época, fazer diferente e ser autêntico, ser melhor. Sempre vivi da forma em que acredito, passei por muitos lugares tentando achar alguém em quem eu pudesse me apoiar, tentando encontrar amigos de verdade. Já fumei tudo o que se existe para fumar, fiz todas a aventuras sexuais que alguém pode fazer. Já fiz Rappel, escalada, bung-jump, raffting, enduro a pé, karatê, futebol americano... tive todo o tipo de amigos, mendigo, puta, psicólogo, maestro, jornalista, traficante, estelionatário, político, criança, velho, bruxa, padre, evangélico, gay, todo tipo.Criei conceitos, teorias, e descobri uma coisa ímpar: Ninguém jamais vai entender minha forma de viver. Nunca existirá alguém capaz de acreditar e amar as pessoas como eu as amo. Ninguém jamais vai aceitar você, eu, ou quem quer que seja como é, porque é duro demais ser você mesmo, e ninguém gosta. Eu provei por 16 anos o sabor amargo da autenticidade, e de tanto buscar a liberdade, eu acabei preso na pior de todas as prisões: a solidão.
Mas sabe de uma coisa, eu tenho muito orgulho de quem eu sou hoje!"


 ahow!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

HOMENS DE AVENTAL SÃO MAIS ATRAENTES

Olá, meus caros!


Está ficando cada vez mais legal entender certas coisas. Hoje eu dei de cara com um blog que conseguiu me fazer postar algo que todos os homens, independentemente da orientação sexual deveriam saber.

Todo mundo sabe que, ao fim de alguns anos juntos o desejo e a frequência sexual dos casais começam a diminuir.
À maior idade de cada um, juntam-se a rotina da vida de casados, as tarefas domésticas, as birras dos filhos, as preocupações financeiras e outras chatices, como fatores que contribuem para esse fenômeno.
O que muita gente não sabe é como lidar com esses problemas.
Geralmente se acomodam, como uma consequência inevitável do casamento ou do processo de envelhecimento, e se conformam, ainda que contrariados, com o declínio da sua vida sexual.
Saiba que não tem que ser assim.
Aliás, ao consultarmos as estatísticas, concluímos facilmente que há muita gente nos cinquentas e nos sessentas, casados há uma eternidade, com uma ótima vida sexual.
- Ok, então o que é que tenho que fazer para aumentar a frequência e a qualidade do sexo lá em casa, - já estou ouvindo as perguntas.
Nada de especial, apenas ajudá-la a lavar a louça e a despejar o lixo todas as noites!
  É sério! Não acredita?
Caso não saibam, fica para vocês a informação de que a falta de interesse no sexo pelas mulheres é frequentemente uma consequência direta do maior stress a que estão sujeitas em casa.
Apesar de os homens das gerações mais novas ajudarem significativamente mais, em casa, do que os seus pais ou avós fizeram, ainda assim são elas quem ainda vai carregando o maior fardo das obrigações domésticas. Desde a limpeza aos filhos, passando pela roupa ou pelas refeições.
Mesmo aqueles que já ajudam, provavelmente concordam que a maior fatia dos trabalhos domésticos ainda vai ficando para elas (se você é daqueles que já faz tudo lá em casa e ainda assim não consegue nada na cama, saiba que é uma vergonha para o seu sexo…).
Essa circunstância tem várias consequências:
· Deixa as mulheres mais cansadas e stressadas e, por isso, com pouca ou nenhuma vontade e disposição para o sexo;
· Deixa a sua mulher profundamente chateada com você, sem vontade nenhuma de lhe dar o que você quer. E se além de não a ajudar, ainda ficou sentado à frente da televisão, vendo o jogo do "framengo", aí então…
Aliás há um estudo em questão que foi particularmente esclarecedor acerca da influência do futebol na vida matrimonial.
Os maridos mais interessados em desporto (e não me refiro à prática, mas sim àqueles que não perdem nenhum jogo na BAND e que passam a vida atrás da sua equipe favorita ou falando de futebol) são os que menos ajudam em casa!
Logo, são os que menos levam na cama!
Se o leitor é daqueles que passa a vida falando de futebol com os amigos e ainda por cima gosta de se gabar de ser um garanhão na cama e de ter sexo todas as noites, saiba que, depois da leitura deste texto, nunca mais vai convencer ninguém!
Quem mais gosta de bola menos sexo tem! É a primeira lei de Ricardo (o Ricardão...) que agora, e solenemente, anuncio ao mundo, baseado em irrefutáveis estudos levados a cabo pela prestigiada universidade da Califórnia.
Consequentemente, se você ainda não perdeu a esperança de melhorar a sua vida sexual, passe a ver os resumos dos jogos, em vez da Sport TV. Vai fazer milagres em sua vida.
E agora, ajude-a a lavar a louça, também.
Segundo as estatísticas recolhidas pelo citado estudo, as mulheres acham mais atraentes os homens que ajudam em casa (ficadica..).
E claro, sentindo-se menos injustiçadas na distribuição das tarefas domésticas, menos stressadas e com mais tempo livre, vão dedicar maior atenção e boa vontade à satisfação das necessidades sexuais dela, e por consequência, das suas.
Quer convencê-la a fazer sexo com você esta noite? Esqueça as flores, os chocolates ou aquela peça de lingerie transparente que você viu lá no Shopping Capim Dourado. O melhor é se oferecer para ajudar com as tarefas domésticas. Ela vai ficar menos cansada, menos injuriada, sem dor de cabeça, e vai estar agradecida pela sua ajuda. como você acha que ela vai te retribuir? hein…
Compre um daqueles aventais que dizem “o melhor amante do mundo” ou então um transparente que realce os seus peitorais de atleta de alta competição e se atire à pia como se não houvesse amanhã, de preferência de tronco nu, para assegurar a maior sensualidade possível ao momento.
É sucesso garantido junto da sua companheira.

É Isso!

(extraído do blog: "faça sexo agora, pergunte-me como")

sábado, 21 de agosto de 2010

AS LEIS DO XAMANISMO PARA O SER HUMANO

 Olá, caros curumins!

quanto tempo, né?
Pois é, voltei a postar. Mas agora, gostaria que vocês refletissem sobre essas leis, que se seguidas, tornariam o mundo bem melhor!

1. Você receberá um corpo. Pode gostar dele ou odiá-lo, mas ele será seu durante essa rodada.
2. Você está matriculado numa escola informal, de período integral, chamada vida. A cada dia, nessa escola, você terá a oportunidade de aprender lições. Você poderá gostar das lições ou considerá-las irrelevantes ou estúpidas
3. Não existem erros, apenas lições. O crescimento é um processo de tentativa e erro: experimentação. As experiências que não dão certo fazem parte do processo, assim como as bem sucedidas.
4. Cada lição será repetida até que seja aprendida. Cada lição será apresentada a você de diversas maneiras, até que a tenha compreendido. Quando isso ocorrer, você poderá passar para a seguinte. O aprendizado nunca termina.
5. Não existe nenhuma parte da vida que não contenha lições. Se você está vivo, há lições para aprender.
6. "Lá" não é melhor do que "aqui". Quando o seu "lá" se tornar em "aqui", você simplesmente entenderá que o melhor é viver o "aqui e o agora".
7. Os outros são apenas seus espelhos. Você não pode amar ou detestar algo em outra pessoa, a menos que isso reflita algo que você ama ou detesta em si mesmo.
8. O que fizer de sua vida é responsabilidade sua. Você tem todos os recursos de que necessita. O que fará com eles é de sua responsabilidade. A escolha é sua.
9. As respostas estão dentro de você. Tudo o que tem a fazer é meditar, analisar, ouvir e acreditar.
10. Você se esquecerá de tudo isto!
Twyla Nitsch - Anciã da tribo Seneca, fundadora e líder do Clã dos Lobos - uma organização internacional que promove os ensinamentos de seus antepassados.
Twyla Nitsch desde de 2007 percorre a Estrada Azul do Espírito, mas o seu legado permanece vivo em nossos corações.
extraído do site do Clã Lobos do Cerrado

É isso! Ahow!

segunda-feira, 3 de maio de 2010

TENDA DO SUOR - ONDE O XAMÃ SE CONECTA

Olá, queridos curumins!

Hoje, pretendo apresentar a vocês um antigo ritual que os povos indígenas ainda usam, e que é lindo demais para não ser vivido pelo menos uma vez por alguém. Eu, em humilde oração, desejo realmente que um dia vocês tenham essa oportunidade.Foi uma experiência que mudou minha vida para sempre, e gostaria de dividir isso com todos vocês. Eu extraí este texto do site  "somos todos um", porque ele define melhor o ritual do que eu talvez conseguiria colocar em palavras. Ele foi escrito pela terapeuta holística Marilene Pitta. Acredito que vão gostar.


"Há milhares de anos um povo pensou na idéia da “purificação”. Purificar os pensamentos, as idéias, as emoções, purificar os vínculos emocionais. Sentir através do calor que vem das pedras em chamas um chamado para seguir o caminho sagrado do bem viver! A “CERIMÔNIA XAMÂNICA E O MUNDO ATUAL” fala da “TENDA DO SUOR”.A construção é simples na aparência,mas tem uma sabedoria ancestral que vale a pena pensar sobre esta questão do ponto de vista espiritual-energético-antropológico.Os bambus são ofertados pela Mãe Terra e recolhidos. Limpos,eles ficam esguios e belos como uma coluna ereta numa postura de meditação profunda. As direções estudadas de acordo com o nascer do Sol – o grande Avô. Aquele que cuida de nós todos os dias!
A direção do LESTE é um poderoso PORTAL que tem como GUARDIÃ a ÁGUIA! Aquela que tudo percebe e tem uma visão ampliada das situações. Desvela o infinito! Sobrevoa as altas montanhas e deslinda com maestria os recantos e os esconderijos! Funda-se o leste com essências, aromas e ervas. Quantas vezes temos que contemplar uma situação de outro lugar... Mais alto ou mais baixo. Com mais lucidez, com mais inocência, sem se perder nas suposições e análises! E se fosse ...O julgamento ferino e cortante das nossas falas. As vezes, o SILÊNCIO INTERNO é como o vôo alto da Águia que sobrevoa as situações. Contemplando! Sem se contaminar com as falas nervosas e agitadas de tanta gente que nos cerca e rodeia! Salutar esse modo de pensar!
A direção do SUL é outro imenso PORTAL – boa estrada vermelha –onde todos os dias nós caminhamos, pagamos contas, lutamos e trabalhamos e vivemos! O seu GUARDIÃO é o LOBO. O ensinamento desse portal é levar a vida com humor. As vezes, somos sérios demais, sisudos, amarrados e vivemos como num campo de guerra. Sempre na defesa pois o ataque vem logo,logo! Irônico é que vem mesmo, apesar de todos os cuidados e defesas! O LOBO nos ensina a lição da leveza e da alegria com o tempero do bom humor! (Lembro-me do poeta portenho –Jorge Luis Borges – quando na sua poesia anunciava que viajaria mais leve e comeria menos ervilha! Lógico que o texto é de uma beleza filosófica que nos ensina a viver melhor!). Para isso, o LOBO rí da vida, dos acontecimentos! Na verdade, é aprender a soltar a energia, o fluxo do aprisionamento da raiva, da dor, da tristeza... Lição dura e árdua, mas vale a pena experimentar e ver como funciona do outro lado de lá... Virar de ponta cabeça em cambalhotas... Tudo passa... Tudo finda...A dor mais triste é a ilusão mais linda!
O PORTAL DO OESTE é guardado pelo amado URSO! Um belo animal, solitário, introspectivo que sabe se nutrir com as suas reservas energéticas. A conexão com o URSO é com a limpeza emocional, com liberação dos cordões que aprisionam e sufocam. A energia do URSO é cortante, ela estrangula e corta mesmo que doa! Viver esse PORTAL é decisivo na vida de todos nós. Se pudéssemos perceber o quanto andamos amarrados e muitas vezes sem saber...Somente sentimos que há algo que não é nosso! Porém está presente como uma forma pensamento fantasmagórica.
Mais aromas e ervas específicas na Terra para se erguer a tenda sagrada!
Tudo é elaborado com Cânticos e Orações ao som do Tambor!
O PORTAL DO NORTE – morada sagrada do Búfalo Branco! O espaço da Espiritualidade sem dogmas e regras! O procedimento da Ética é que conduz esse portal de AMOR INCONDICIONAL E COMPAIXÃO!
O portal do Norte nos ensina a tolerância, a bondade, o aprender a conviver com as diferenças! Lugar da cultura de Paz! Lugar das bênçãos, de receber e oferecer! O sentir pleno do Criador nos nossos corações apaziguados, ternos, mansos!
As CERIMÔNIAS XAMÂNICAS têm esse link com a vida! Os bambus são fincados na terra. Arma-se um “útero” e cobre-se com lonas e cobertores... Cada um de nós necessita entrar em contato com o nosso nascer. Muitas vezes um relacionamento mal sucedido vem dessa história de um nascer comprometido. Lá, no escuro e no vazio experimenta-se o contato consigo mesmo! Não há uma fala terapêutica confortadora ou interpretativa... Há cada um confiando na ESPIRITUALIDADE LUZ! O FOGO SAGRADO alastra-se nas pedras ardentes que como um vulcão emite lições para cada pessoa. O suor é a resposta para a entrega das dores pessoais e do inconsciente coletivo! Ouve-se choro! Ouvem-se gritos! Ouve-se o silêncio que é quebrado pelo toque do Tambor ou pelas Orações e súplicas por cada um de nós e de todos!
O lugar mais amoroso para se ficar é junto á terra, respirar no chão. Lá nesse acolhedor abraço a Mãe Terra nos aconchega e nos entrega o seu alento confortável!
É um Silêncio que se vive na “TENDA SAGRADA”.
Muito diferente das businas dos carros! Das correrias nos bancos e lojas...Compras e compras...Lógico que tudo isso é necessário, precisa-se pensar é na forma de agir, é na atitude diante dos fatos e acontecimentos.
Penso que chegou um tempo de se fazer o resgate dessas cerimônias, não no sentido de se apoderar de uma cultura, mas de respeitá-la e honrá-la. Os verdadeiros Xamãs poderão nos ajudar! E novamente, aquele que foi oprimido, pode, se desejar, nos ajudar a caminhar. Pena que tudo passou tão rápido e de uma forma tão cruel! “Enterrem o meu coração na curva daquele rio” é o nome de um livro que narra a dramática história dos nativos americanos, acredito que agora cabe a nós mergulharmos nas mesmas águas límpidas ou lamacentas e procurarmos o coração ferido junto com o nosso também ferido, e curarmos o coração da humanidade enlouquecida em busca de um poder desnorteado!
Vejo que cada pedacinho de cada coração ferido pode ficar junto numa mandala de Luz! É tempo de ajuda! É tempo de CURA! É tempo de PERDÃO! É tempo de LIBERDADE! É tempo de AMAR! É tempo de RESPEITAR! É tempo de ÉTICA!
Que reine soberano o GRANDE ESPÍRITO! Que impere sobre todos nós o reinado de GAIA-PACHAMAMA!"


Ahow!

segunda-feira, 12 de abril de 2010

RETRATO EM PRETO E PRETO

Olá, povão!!

Vamos filosofar um pouco sobre ser preto! Sim, preto, porque moreno é o caralho,  e afrodescendente é a puta que o pariu! Vocês não acham interessante como esses termos mais "suaves" soam tão preconceituosos quanto outros usados por aí? Sei lá, pode ser só impressão minha.

Certa feita Bob Marley enfatizou: 'Um povo sem memória é como uma árvore sem raízes'. A Perda da Memória, talvez este seja o maior crime cometido pelo racismo contra nosso povo. O não saber sobre quem somos de onde realmente viemos e o que deixamos de obter por herança, faz de nós um povo totalmente apascentado pelas ideologias de um sistema segregacionista, que tem muito medo de nossa evolução.
Respeitar as diferenças é um dos princípios básicos da democracia. Cada povo, cada raça, cada cultura tem identidade própria, peculiaridades que resistem à globalização da economia e da comunicação. A construção de uma sociedade mais justa e feliz ocorre no cotidiano das pessoas com a prática de atitudes positivas em todas as relações humanas, sejam elas familiares profissionais ou comunitárias.
 Bom, chega de enrolação. Quem nunca ouviu falar em Nelson Mandela, Martin Luther King, Samuel L. Jackson, Pixinguinha, entre outras personalidades negras, praticamente não viveu neste planeta. Atualmente, o negro mais conhecido é Barack  Obama, e assim como ele, outros negros fizeram e fazem parte dos fatos históricos mais importantes da humanidade. Todo mundo cansou de ouvir falar em Zumbi, durante o ensino fundamental. É graças aos negros que temos hoje nas grandes culturas a capoeira, as tranças nagô, o rastafari, o jazz, o rock, o blues, o camdomblé, o grafitti, o funk (o de verdade, não o carioca), o soul, o hip-hop, entre outras manifestações culturais.

Na culinária, os negros trouxeram gosto por novos temperos e habilidade de improvisar receitas, misturando ingredientes europeus e indígenas. A escravidão deixou marcas indeléveis, em sua grande maioria negativas, na trajetória socioeconômica do Brasil. No que diz respeito ao legado cultural, porém, uma das heranças mais importantes da inserção dos negros na sociedade está na gastronomia. A influência africana na dieta do brasileiro possui dois aspectos. O primeiro diz respeito ao modo de preparar e temperar os alimentos. O segundo, à introdução de ingredientes na culinária brasileira.
A condição de escravo foi determinante para explicar como a técnica culinária dos africanos desenvolveu-se no Brasil. Tendo sido aprisionados na África e viajado em péssimas condições, os negros não traziam consigo nenhuma bagagem, muito menos ingredientes culinários. Isso reforçou a necessidade da improvisação para alimentarem-se no novo território, que, por sua vez, tinha uma estrutura ainda pouco eficaz. A própria elite tinha de importar vários gêneros.
Nos engenhos de açúcar, para onde foram levadas, as cozinhas eram entregues às negras, pois, no começo, os colonizadores vieram sem suas mulheres. Responsáveis pela alimentação dos senhores brancos e com a necessidade de suprir sua própria demanda, os negros passaram a adaptar seus hábitos culinários aos ingredientes da colônia. Na falta do inhame, usaram a mandioca; carentes das pimentas africanas usaram e abusaram do azeite-de-dendê, que já conheciam da África (as primeiras árvores vieram no começo do século 16). Adeptos da caça incorporaram à sua dieta os animais a que tinham acesso: tatus, lagartos, cutias, capivaras, preás e caranguejos, preparados nas senzalas.
A cozinha africana privilegia os assados em detrimento das frituras. O caldo é um item importante, proveniente do alimento assado ou simplesmente preparado com água e sal. É utilizado na mistura com a farinha obtida de diversos elementos. No Brasil, essa prática popularizou o pirão já conhecido pelos índios, mistura do caldo com farinha de mandioca e o angu (caldo com farinha de milho).
O modo africano de cozinhar e temperar incorporou elementos culinários e pratos típicos portugueses e indígenas, transformando as receitas originais e dando forma à cozinha brasileira. Da dieta portuguesa vieram, por exemplo, as galinhas e os ovos. Em princípio, eram dados apenas a negros doentes, pois se acreditava que fossem alimentos revigorantes. Aos poucos, a galinha passou a ser incluída nas receitas afro-brasileiras que nasciam, como o vatapá e o xinxim, e que resistem até hoje, principalmente nos cardápios regionais.
Da dieta indígena, a culinária afro-brasileira incorporou, além da essencial mandioca, frutas e ervas. O prato afro-indígena brasileiro mais famoso é o caruru. Originalmente feito apenas de ervas socadas ao pilão, com o tempo ganhou outros ingredientes, como peixe e legumes cozidos. O acarajé, hit da cozinha afro-brasileira, mistura feijão-fradinho, azeite-de-dendê, sal, cebola, camarões e pimenta. A popular pamonha de milho, por sua vez, origina-se de um prato africano, o acaçá.
A vinda dos africanos não significou somente a inclusão de formas de preparo e ingredientes na dieta colonial. Representou também a transformação da sua própria culinária. Muitos pratos afro-brasileiros habitam até hoje o continente africano, assim como vários pratos africanos reinventados com o uso de ingredientes do Brasil, como a mandioca, também fizeram o caminho de volta.
No que se refere aos ingredientes africanos que vieram para o Brasil durante a colonização, trazidos pelos traficantes de escravos e comerciantes, esses constituem hoje importantes elementos da cultura brasileira. Seu consumo é popular e sua imagem constitui parcela importante dos ícones do imaginário do país. Vieram da África, entre outros, o coco, a banana, o café, a pimenta malagueta e o azeite-de-dendê. Sobre este, dizia Camara Cascudo: “O azeite-de-dendê acompanhou o negro como o arroz ao asiático e o doce ao árabe”. No Nordeste, são também populares o inhame, o quiabo, o gengibre, o amendoim, a melancia e o jiló. 

Bom, vamos à receita de hoje:
MOQUECA ESORREGA MALANDRO

A verdade é que eu misturei os ingredientes da sopa escorrega malandro com um tucunaré, e deu isso....

pegue o  tucunaré, e tempere com azeite de dendê, limão, salsinha, cebolinha, coentro em folhas e molho de pimenta dedo-de-moça (se aguentar, pode ser malagueta). Corte em pedaços e separe. Em uma panela grande coloque agua, alguns quiabos picados, inhame picado, leite de coco, coco ralado sem açúcar (obviamente, não serve o de pacote, porque vem adoçado), azeite de oliva, cebola, alho, tudo a gosto. quando o molho estiver fervendo, coloque o peixe temperado, e salgue até estar do seu agrado. É importante sentir o gosto do leite de coco, do dendê e da pimenta, então deve-se continuar temperando até dar sabor.

O prato dá um peixe quase derretendo, com um caldo denso que pode ser feito moqueca, apenas adicioando farinha de mandioca em uma travessa separada.
bom apetite!

quinta-feira, 25 de março de 2010

Cabelos Trançados

Há muitas primaveras, no tempo em que ainda havia muitos Búfalos e os únicos inimigos dos Sioux eram os Crow, uma pequena criança mamava no peito de sua mãe. Ele era muito pequeno, mas observava o acampamento e ouvia os tambores de seus ancestrais falando ao povo. Ele entendia tudo o que os tambores diziam, e ouvia as histórias que eles lhes contavam. Como era muito pequeno, as histórias lhe tranquilizavam sempre que sua mãe estava ocupada tingindo tipis ou preparando penicam (pasta de carne com frutas secas).
Dez primaveras se passaram e ele tornou-se um rapaz cheio de responsabilidades. Naquela época seu nome era Ouve os Tambores, porque a xamã que havia assistido seu nascimento notou a fascinação que ele tinha pela batida dos tambores. Seu pai havia sido pisoteado por um búfalo ao salvar a vida de um jovem descuidado que fazia sua primeira caçada. Assim, ele tornou-se parcialmente responsável pela caça de pequenos animais para sua família. Um dia, ao voltar para casa com um esquilo e um coelho, levou-os para sua mãe e foi saudados pelo Contador de Histórias Cara Amarela. Cara Amarela era um Cabelo Trançado que havia servido ao seu povo desde o tempo em que o avô de Ouve os Tambores era pequeno.
Cara Amarela perguntou a ele, o que havia aprendido na caçada, se havia escutado as criaturas e conversado com elas. Ouve os Tambores se surpreendeu com a pergunta, pois não havia contado a ninguém que seguia as batidas do seu coração, como se fossem música dos tambores, até o local em que os animais lhe indicavam, dizendo que estavam dispostos a se sacrificar para servirem de alimento a sua família.
Até a hora em que o Avô Sol se punha ao oeste, ficou sentado com Mão Amarela contando as histórias maravilhosas que havia aprendido com suas amigas, as criaturas. Contou-lhe como levantava a mão e ordenava a seu coração que tamborilasse How Kola! (Salve Amigo!) para seus irmãos e irmãs da pradaria. O How Kola que seu coração tamborilava atraía as criaturas até o local onde ele se encontrava, e eles ficavam felizes em partilhar com Ouve os Tambores sua Histórias de Sabedoria. Assim aconteceu que ele terminou sendo escolhido para receber o treinamento do Contador de Histórias Cara Amarela, e acabou tornando-se um Cabelo Trançado. Seu nome foi mudado para Mão Erguida porque ele costumava saudar todas as criaturas com a mão aberta, levantada em sinal de amizade.
Durante cinco primaveras Mão Erguida aprendeu com Cara Amarela, a ser um Cabelo Trançado. Cara Amarela ensinou-lhe que eles são os Guardiães de sua história e das Sagradas Tradições. Cabe a eles viajar entre os grupos de diversas nações, levando notícias dos acontecimentos que afetavam a todos. Os Cabelos Trançados costumavam contar os fatos que ocorriam em outros acampamentos, ao redor da fogueira comunitária, depois do jantar. Eles falavam de atos heróicos, de um Sonho de Cura que profetizasse futuros acontecimentos, de História de Sabedoria que conservavam viva a Tradição, além de trazer as últimas notícias acerca de nascimentos e de mortes nas tribos.
Na terceira primavera que Cara Amarela passava os ensinamentos a Mão Erquida, eles foram realizar uma Busca de Visão para o jovem Cabelo Trançado. No terceiro dia de busca, surgiu um Ancião que transmitiu a seguinte mensagem ao jovem: - Os Cabelos Trançados de todas as tribos e nações constroem uma ponte entre os ensinamentos tradicionais e o momento presente. As crianças de todas as gerações aprendem as lições tradicionais que os Cabelos Trançados ensinam e aplicam estas história às suas próprias vidas. O modo de pensar do nosso povo é diferente dos de outros povos. Nós não costumamos revelar qual é a verdadeira mensagem contida em nossas Histórias de Sabedoria. Preferimos deixar que as pessoas utilizem os seus dons individuais de intuição e observação para perceber o significado real dessas histórias.
Acabada a jornada de Busca da Visão, Mão Erguida contou para Cara Amarela sobre a mensagem que lhe foi dada pelo Ancião. Após a narrativa, Cara Amarela deu uma baforada em seu cachimbo e falou: - Nossos ensinamentos são transmitidos de forma que cada um possa aprender conforme seu próprio ritmo e seu próprio modo de ser, dando liberdade a que cada pessoa aplique ou não estes ensinamentos à sua vida. Cada história possui diversos significados e relaciona-se de formas diferentes à vida de cada pessoa. Os mesmos acontecimentos dentro de uma história também podem ser repetidos inúmeras vezes, de maneira diferente, para que cada ouvinte possa perceber de que modo aquela história se adapta melhor ao seu próprio momento de vida.
Em sua última primavera com Mão Erguida, Cara Amarela ensinou ao jovem, que ele devia aprender a respeitar a liberdade de pensamento de todos aqueles que iriam em busca de sua Sabedoria. Desta maneira as crianças aprendiam a valorizar a própria inteligência e sentiam que eram membros respeitados de sua tribo. O Cabelo Trançado considerava cada criança como uma pessoa igual a ele, e colocava-se ao nível dela.
Antes a partida de Cara Amarela para a Patagônia, Mão Erguida foi admitido no Conselho de Anciões na tenra idade de dezesseis primaveras. Ele a partir desse dia não precisava participar de batalhas, mas deveria observar tudo e recordar-se mais tarde, passo a passo, o desenrolar da luta. Sendo um xamã historiador, o Cabelo Trançado era convocado a contar os fatos passados com total precisão para que estes acontecimentos ajudassem a solucionar os presentes problemas. Ensinava a forma de viver de maneira equilibrada através das ações dos personagens das História de Sabedoria. Uma história contada de maneira adequada, podia acabar com as discussões, mudar o curso de uma vida, insuflar novo ânimo em épocas difíceis ou encorajar os jovens a assumir novas responsabilidades na vida.
Acabada sua admissão no Conselho de Anciões, Mão Erguida entrou no tipi de seus pais acompanhado de Cara Amarela, o velho Contador de História pediu para o jovem sentar e começou a trançar uma pequena mecha no novo Cabelo Trançado. Após alguns minutos, eles saíram do tipi e o povo pode ver que Mão Erguida trazia uma pequena mecha com tranças e nós, que lhes caía pelo meio da testa que tinha cunhada um pequeno cristal, que o caracterizava com professor e historiador da tribo. Despediram-se, e Cara Amarela seguiu seu destino em direção a Patagônia, enquanto Mão Erguida partia para contar história entre os povos das pradarias.
Passado muitas primaveras, Mão Erguida continuou visitando as tribos das pradarias. Todos os verões, ele partilhava o seu conhecimento com os filhos dos Oglalas reunidos para o Pow-Wow antes da Dança do Sol. Numa manhã de verão, Mão Erguida chegou para o Pow-Wow cavalgando seu cavalo malhado. Ao verem Mão Erguida se aproximar com seu garboso companheiro, as crianças correram até os limites do acampamento. Mão Erguida tinha duas penas de águias amarrada em seu cacho de escalpo, e a mecha de Cabelo Trançado lhe caia pela testa.
- Cabelo Trançado chegou! - gritavam as crianças enquanto corriam para saudá-lo. Com os olhos cheios de admiração, as crianças observavam Mão Erguida entrar no acampamento. Ele continuava montado em seu cavalo, ereto e orgulhoso, olhando sempre em frente, com seus olhos muito negros fixados no centro do acampamento. Agora, Mão Erguida era o mais velho Cabelo Trançado da Nação Sioux. Nínguém sabia quantas primaveras ele carregava nas costas. Até o chefe que chegou para saudá-lo, lembrava-se que Mão Erguida já era um Ancião na época em que ele ainda era uma criança.
Mão Erguida desmontou bem no centro do acampamento e foi saudado com muito respeito e calorosos How Kolas. Convocou-se o Conselho de Chefes e Mão Erguida foi fumar o Cachimbo, foi trazida a comida e começou-se a partilhar as últimas novidades entre os membros da Tenda de Cura.
Quando a noite caiu, e a última luz enviada pelos raios do Avô Sol tocaram a grama que cobria os prados, começou a celebração. A volta de Mão Erguida a este grupo de Oglala era um motivo de muita alegria. As expectativas eram enormes e todos os olhos se voltaram para o Cabelo Trançado quando ele começou a partilhar as notícias de nascimentos e mortes, os golpes que foram contados, e das decisões dos diversos Conselhos de outras regiões, tomadas durante o último inverno. Após terminar o relatório, Mão Erguida contou uma de suas Histórias de Sabedoria.
Este foi o último verão que Mão Erguida passou entre os povos das pradarias. Nunca mais ele foi visto, apesar de alguns caçadores jurarem que viram o Cabelo Trançado no alto de uma montanha rodeado de animais com a mão aberta levantada e falando:
- How Kola!


lenda Sioux contada pelos xamãs do Clã Lobos do Cerrado

quarta-feira, 3 de março de 2010

SAUDADE

Sabe qual é o piortipo de dor?
É aquela que dói fundo, de  forma tão intensa,
que a gente chora sem sentir. E ela não passa nem mesmo por um segundo.
Dói o tempo todo. Muito, muito mesmo...
E você vai se acostumando com a dor, porque dói o tempo todo.
E o tempo vai passando, a dor sempre alí, até que você se acostuma...
Você sentiu a dor por tanto tempo, que de repente nem dói mais...
Mas bem agora, que você se acostumou com ela, logo agora que não dói,
ELA VAI EMBORA!
E você sente falta da dor.